Presos que comandaram massacre em AM chegam a capital

0
>

Avião da Polícia Federal trouxe para Campo Grande hoje à tarde detentos que são suspeitos de terem organizado o massacre que terminou com a morte de 56 presos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus (AM).

O número de transferidos para o Presídio Federal na Capital não foi confirmado pelas autoridades. Ao todo, 17 foram retirados do sistema prisional do Amazonas. A maioria deles, 12, respondem pelo crime de tráfico de drogas, informou o G1.

Que estavam no Compaj no dia em que houve as mortes foram 14 transferidos. Os demais seguiam presos em outras unidades, como a de Puraquequara (UPP), onde foram executados quatro pessoas.

Na Capital já estava preso um dos líderes da facção Família do Norte, que comandou as mortes, identificado como José Roberto Fernandes. Do mesmo grupo também estavam recolhidos no Presídio Federal de Campo Grande Alan de Souza Castimário, Jorge Moçambite da Silva, Cleomar Ribeiro de Freitas e Jaime Grandes Machuca, segundo informações de relatório da Polícia Federal de 2016.

Veja a lista de presos que foram removidos hoje, segundo o G1:

Adailton Farias da Silva – Homicídio;
André Said de Araújo  – Tráfico de drogas, associação para o tráfico e roubo;
Cláudio Dayan Felizardo Belfort – Tráfico de drogas, roubo, e posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito;
Demetrio Antônio Matias – Homicídio;
Fábio Palmas de Souza  – Homicídio e Tráfico de drogas;
Gileno Oliveira do Carmo – Tráfico de drogas;
Janes do Nascimento Cruz  – Tráfico de drogas e associação para o tráfico;
João Ricardo Santos da Costa -Tráfico de drogas;
José Bruno de Souza Pereira – Latrocínio;
Márcio Ramalho Diogo – Roubo e Tráfico de drogas;
Reginaldo Muller Neto – Tráfico de drogas;
Rivelino de Melo Muller – Tráfico de drogas;
Wilson Guimarães Fernandes – Homicídio;
Florêncio Nascimento Barros  – Roubo.

UPP
Eduardo Queiroz de Araújo – Tráfico de drogas e associação para o tráfico;
Heuliton Cabral dos Santos  – Tráfico de drogas e associação para o tráfico;
Lenon Oliveira do Carmo – Tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Correio do Estado

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta