Vereadores e professores querem a permanência do espanhol em escolas de Ponta Porã

0
384
Foto: Lécio Aguilera

Vereadores e professores participaram de uma audiência pública na tarde desta terça-feira, 23 de março, na Câmara Municipal de Ponta Porã para discutir a carga horária da língua espanhola nos estabelecimentos de ensino do município.

Os professores não apoiam a lei sancionada pelo presidente, Michel Temer, em fevereiro deste ano, pois a reforma no ensino médio dispensa algumas disciplinas, como a língua espanhola. Dessa maneira, o inglês passa a ser a língua estrangeira obrigatória a partir do sexto ano do ensino fundamental.

Em desacordo com a reforma, os professores pedem apoio da Câmara Municipal para negociar com o Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso do Sul, para que haja obrigatoriedade do espanhol no ensino fundamental e médio, nas escolas de Ponta Porã.

De acordo com a Comissão de Educação, Ciência, Cultura, Esporte e Lazer formada pelo presidente, Daniel Marques, a vice-presidente, professora Anny, e o relator, Wanderlei Avelino, a reforma no ensino médio traz prejuízos aos estudantes da fronteira. “A reforma flexibiliza o conteúdo que será repassado aos alunos, focando a importância nas disciplinas de português, matemática e língua inglesa, contudo, nossa realidade é diferente, tendo em vista que vivemos em fronteira seca. Muitos estudantes do Paraguai estudam em escolas brasileiras, sendo fundamental manter a língua materna para maior aprendizado”, apontaram os vereadores.

Outro fator que os educadores desaprovam é a permissão para que professores sem diploma específico possam ministrar aulas, desvalorizando assim, anos de estudo e especialização dos mesmos.

Os membros da Comissão de Educação, Ciência, Cultura, Esporte e Lazer, juntamente com o presidente da Casa de Leis, Otaviano Cardoso, apoiam a luta dos professores na permanência do espanhol no ensino fundamental e médio, pois reconhecem a importância da língua materna, a valorização da cultura, além do espanhol ser a segunda língua mais falada no mundo e aprimorar o currículo dos estudantes.

Assessoria

Comentários no Facebook