Indústria da carne avança no Chaco paraguaio; área tem pico de desmatamento

É a partir dos bosques áridos do Chaco, região de rica biodiversidade resistente ao calor intenso e à escassez de água, que o governo paraguaio pretende consolidar o país como açougue mundial. Turbinada por investidores brasileiro, a agenda de estado do presidente Horacio Cartes é constituir, na próxima década, um rebanho de 20 milhões de cabeças de gado –o triplo da população paraguaia. Cartes é um importante pecuarista nesse bioma que, originalmente, compreende mais da metade do território do país.

O capital brasileiro é crucial nesse processo, não só o de frigoríficos, mas também o de pecuaristas atraídos por terras ainda baratas. Para se ter uma dimensão da influência na economia vizinha, as duas maiores companhias de abate de animais em atividade no Paraguai, responsáveis por quase 70% das vendas internacionais de carne bovina, são de origem brasileira.

Embora preocupem organizações ambientalistas e indigenistas, os investimentos graúdos indicam que a indústria brasileira da carne foi ao Chaco para ficar. Sediado no interior de São Paulo, o grupo Minerva costurou, em 2013, uma injeção de US$ 85 milhões (cerca de R$ 322,8 milhões) da IFC (corporação financeira internacional, na sigla em inglês), braço do Banco Mundial, para impulsionar seus negócios no Paraguai. Hoje, o grupo é líder de mercado no país, seguido pelo frigorífico Concepción, controlado pelo também brasileiro Jair Antonio de Lima.Em 2017, o Minerva bateu recorde de receita com R$ 12 bilhões. Em parte, as cifras históricas se devem à compra, em julho do ano passado, de nove unidades da JBS, a maior processadora de proteína animal do planeta, localizadas na …

– Veja mais em https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2018/07/12/industria-da-carne-avanca-no-chaco-paraguaio-area-tem-pico-de-desmatamento.htm?cmpid=copiaecola

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here