Pedro Juan Caballero é a cidade mais violenta da América do Sul, segundo a mídia Argentina

Nos últimos meses, Pedro Juan Caballero tem sido constantemente vigiado por membros da Polícia Nacional e por uma equipe da Força Tarefa Conjunta (FTC), para reforçar a segurança.

Um jornal argentino publicou uma extensa crônica sobre a cidade de Pedro Juan Caballero, que descreve como “a mais violenta da América do Sul”. O documento detalha o funcionamento do PCC e aponta os principais casos de assassinos de aluguel que abalaram o país.
Pedro Juan Caballero, do Departamento de Amambay, é atualmente a cidade mais violenta da América Latina, onde impera o medo cidadão, o domínio do grupo criminoso Primeiro Comando da Capital (PCC), segundo o jornal La Nación da Argentina.

O aviso aparece em uma extensa crônica feita pela mídia e intitulada “É assim que matam nas da América do Sul, que exportou sua máfia para a Argentina”. O texto destaca que o PJC é um “pomar de maconha” e que é “tomado por um grupo mafioso brasileiro que mata promotores e políticos”. que ambos concordem “informalmente” em intervir em atos puníveis e que cada força de segurança investigue de acordo com a documentação dos envolvidos. Isso levando em conta que a jurisdição é imprecisa, pois está localizada na fronteira seca.

Relatando o início do PCC na área, o veículo informa que tudo começou com os acordos entre o grupo criminoso brasileiro e os líderes da safra de maconha de Pedro Juan Caballero, entre os quais Jorge Rafaat, assassinado em 2016 e até então conhecido como o “Rei da Fronteira”, por ser o dono da rota do narcotráfico entre Brasil e Paraguai.

~História do atentado a Rafaat: Foi assim que Jorge Rafaat foi morto em Pedro Juan Caballero

Neste sentido, indica-se que o assassinato de Rafaat ocorreu no coração do PJC —onde “termo de um poço marca conhecida de origem duvidosa”—, marcando assim o início do mandato do grupo criminoso.

“A morte parece ter ficado com Pedro Juan Caballero para sempre. E agora irradiava novamente com mais força. Uma semana depois de um colombiano e um venezuelano assassinarem Marcelo Pecci, promotor-chefe da Unidade de Crime Organizado do Paraguai, em uma ilha de Cartagena, ocorreu o assassinato do prefeito de Pedro Juan Caballero (José Carlos Acevedo), “continua. do jornal argentino.

Da mesma forma, indica que, após a morte de Acevedo, as ruas da cidade estão lotadas de membros da Polícia Nacional e da Força Tarefa Conjunta (FTC), realizando controles surpresa, com veículos blindados e helicópteros , a fim de reforçar a segurança na área.
Quanto ao FTC, La Nación Argentina lembra que o grupo foi criado para lutar contra o Exército do Povo Paraguaio (EPP), o grupo criminoso que atua no norte do país e que já realizou vários sequestros e assassinatos no Paraguai.

Ele também fala dos Acevedos, a quem descreve como um “clã político que domina” a região fronteiriça de Pedro Juan Caballero há mais de 30 anos, então o que e na cidade “nada acontece sem o consentimento da família”. de dois atentados, mas acabou morrendo de Covid-19 em 2021.

Enquanto isso, os dois irmãos do falecido senador permaneceram no poder: José Carlos Acevedo, que esteve à frente da administração do PJC até sua morte, enquanto Ronald dirige o Governo de Amambay até hoje.

Destaque, Últimas notícias

Deixe sua opinião

%d bloggers like this: