“Nossa democracia está em risco”, diz Biden às vésperas das eleições

0
1
Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em um comício em Maryland Reuters
Banner 300x250

Em um forte argumento de encerramento antes das eleições de meio de mandato dos Estados Unidos, o presidente Joe Biden na segunda-feira (7 de novembro) alertou que uma vitória republicana poderia enfraquecer as instituições democráticas do país e desfazer muitas das realizações de sua presidência.

Durante um comício final em Maryland, Biden e a primeira-dama Jill Biden tentaram atrair votos para o candidato a governador democrata Wes Moore e o senador Chris Van Hollen, que se juntou a eles no palco. O presidente disse a uma multidão animada na Bowie State University, uma faculdade historicamente negra nos arredores de Washington, que a democracia estava em risco e que este era o momento de defendê-la.

Em vez de fazer um discurso final para os eleitores em um estado oscilante muito disputado, Biden viajou para um estado democrata confiável, já que sua popularidade em queda o tornou indesejado em grande parte do país.

Os comentários de Biden refletem a profunda divisão política nos Estados Unidos antes das eleições de 8 de novembro, que podem levar os republicanos a conquistar o controle de uma ou ambas as câmaras do Congresso.

Os analistas eleitorais apartidários previram na segunda-feira (7) que os republicanos provavelmente conquistarão cerca de 25 assentos na Câmara dos Deputados, com 435 assentos, mais do que o suficiente para conquistar a maioria. Eles disseram que os republicanos também podem conseguir a única cadeira de que precisam para ganhar o controle do Senado.

Os republicanos culparam o governo de Biden pelo aumento dos preços e pelo crime, duas das principais preocupações dos eleitores. Mas dezenas de candidatos também ecoaram as alegações infundadas de fraude do ex-presidente Donald Trump em sua derrota nas eleições de 2020.

Alguns deles podem acabar como governadores ou administradores eleitorais em estados em campo de batalha e desempenhar um papel central na corrida presidencial de 2024. Apesar de cumprir as promessas de campanha de aumentar a infraestrutura e a energia limpa, muitos americanos azedaram a liderança de Biden. Apenas 39% aprovam seu desempenho no trabalho, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos publicada na segunda.

cnnbrasil

Relacionado

Deixe sua opinião