Homem preso pela Polícia Civil confessa que amigo matou o estudante de medicina

Polícia Últimas notícias

O brasileiro Edimar de Melo de Oliveira se apresentou à polícia na manhã deste sábado (12), em Ponta Porã, cidade a 346 quilômetros de Campo Grande e que faz fronteira com Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Ele é o terceiro preso por envolvimento na morte do estudante de Medicina, Anderson Hugo Pereira Félix, 29 anos. O crime ocorreu no dia 16 de outubro.

Morador no Jardim Panambi, em Ponta Porã, Edimar é dono do Golf prata usado para levar Anderson do bar localizado na Avenida Brasil. O veículo está registrado em nome da ex-esposa dele. Câmeras de segurança gravaram o momento em que Anderson foi colocado no banco traseiro do Golf por Moroni Dener Rodrigues Romero, 22. Em seguida, Edimar e Silvano Meires Araújo, 35, saíram no carro levando o rapaz, encontrado morto horas depois.

Nesta manhã, Edimar se apresentou e foi interrogado sobre o homicídio. Ele contou que quando entrou no carro com Silvano, não viu Anderson no banco de trás. A dupla só percebeu quando chegou na casa de Edimar, momento em que houve uma discussão e eles entraram em luta. O motivo seria porque Edimar e Silvano acreditavam que a vítima tinha a intenção de fazer algo com eles.

Edimar Melo de Oliveira se apresentou a justiça (DIvulgação)

O Caso

Anderson Hugo Pereira Félix, de 29 anos, foi encontrado morto em uma estrada de terra de Pedro Juan Caballero (PY), nas primeiras horas do domingo (16). De acordo com a polícia paraguaia, quando foi encontrado, Anderson estava com uma pulseira de uma festa realizada em uma casa noturna de Ponta Porã (MS), cidade vizinha a Pedro Juan Caballero.

Horas antes de morrer de forma brutal, o estudante de medicina postou fotos em uma festa com amigos.

Além disso, um dia antes de morrer, Anderson também publicou uma homenagem à mãe e ao namorado pelo Dia dos Professores, celebrado em 15 de outubro. “Hoje é dia do professor e eu tenho que saudar duas das pessoas mais importantes da minha vida, vocês são meus exemplos”, escreveu o estudante de medicina.

A família de Anderson fez uma vaquinha online para arrecadar dinheiro para custear o traslado do corpo do estudante do Paraguai para a cidade paraibana de Tavares.

Deixe sua opinião