Ataque em escola estadual de SP deixa uma pessoa morta e duas feridas

0
134
Banner 300x250

Um estudante de uma escola estadual no Jardim Sapopemba, na Zona Leste de São Paulo, atirou contra três pessoas na manhã desta segunda-feira, 23. Ao Terra, a Polícia Militar confirmou um óbito, mas ainda não há informações sobre idade e identidade da vítima. 

O caso ocorreu na Escola Estadual Sapopemba, localizada na Rua Senador Nilo Coelho, por volta das 7h30. Ainda conforme a PM, o atirador é aluno da escola e foi detido. As três vítimas feridas por disparo de arma de fogo foram socorridas ao Pronto Socorro do bairro, e uma não resistiu. 

Ainda segundo a PM, uma quarta vítima teve ferimentos leves, que não foram ocasionados por disparo de arma de fogo. Ela também foi encaminhada ao PS Sapopemba. O suspeito foi apreendido e encaminhado para o 70º DP da cidade, onde é ouvido. 

Equipes da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros estão no local.  

O ministro da Justiça, Flávio Dino, expressou solidariedade pelo caso e disse que o laboratório de crimes cibernéticos foi acionado para auxiliar a Polícia de São Paulo a aprofundar as investigações.

Entre 2001 e junho de 2023, ocorreram 36 ataques a escolas em todo o país. Em março deste ano, um aluno atacou a facadas os colegas na Escola Estadual Thomazia Montoro, na Vila Sônia, Zona Oeste de São Paulo, e matou uma professora; outras três professoras ficaram feridas. O estudante foi contido e apreendido na oportunidade.

Neste mês, um adolescente de 14 anos morreu esfaqueado após um ataque a uma escola particular em Poços de Caldas, no sul de Minas Gerais. Outras três pessoas ficaram feridas. O autor do ataque, um ex-aluno da instituição, de 14 anos, foi apreendido.

Atirador avisou
O aluno que promoveu o ataque a escola teria avisado duas semanas antes que fazia um “massacre” no local, mas ninguém acreditou. “Ele avisou que ia fazer o massacre. A gente não acreditou. Ele falou que ia fazer, porque não gostava da gente. Foi umas duas semanas atrás. A gente não acreditou porque não sabia que ele ia ter coragem”, declarou a estudante Carla à Rádio CBN. 

Alunos relatam desespero
“Eu estava no banheiro quando ouvi os disparos, quando sai do banheiro, vi algumas pessoas caídas na porta da sala do lado, onde aconteceu o tiroteio. As pessoas começaram a correr e aí eu vi que era do primeiro ano”, disse a estudante Maria Isabel, em entrevista à TV Globo.

*ATENÇÃO: Se você sofre algum tipo de bullying na escola ou cyberbullying de colegas na internet, faça a denúncia no Disque 100 – Disque Direitos Humanos. A ligação é gratuita e o atendimento é feito 24 horas por dia. Para receber atendimento ou fazer denúncias pelo WhatsApp, basta enviar mensagem para o número 61 99656-5008. Também é possível ser atendido pelo Telegram, basta digitar “Direitoshumanosbrasil” na busca do aplicativo. Após uma mensagem automática inicial, o atendimento será realizado pela equipe do Disque 100.

Se você é pai, mãe ou responsável por uma vítima de bullying, converse com ela. Procure a direção da escola para tentar solucionar o problema entre os envolvidos e suas famílias. Se o(a) diretor(a) não tomar nenhuma atitude, formalize a denúncia em casos mais graves no Conselho Tutelar ou na polícia da sua cidade.

Fonte:Terra

Relacionado

Deixe sua opinião