“Chegou a hora da nossa fronteira ter um representante comprometido com as nossas necessidades”, defende Carlos Bernardo

Últimas notícias

O CEO do curso de Medicina da Universidade Central do Paraguai (UCP) e candidato a deputado federal Carlos Bernardo (MDB), que tem sua principal base eleitoral na fronteira, pretende realizar um trabalho voltado à faixa de fronteira, para atender às necessidades da população fronteiriça nas áreas da saúde, da educação, da infraestrutura, e da geração de novos postos de emprego. “Nossa fronteira é muito rica, e sempre temos a divulgação somente do lado negativo. Precisamos mudar esse cenário, porque participamos ativamente do desenvolvimento do nosso Estado, principalmente da economia”, declarou o candidato a deputado federal.

De acordo com Carlos Bernardo, os hospitais estão sucateados, e não atendem às necessidades dos brasileiros, paraguaios e bolivianos que residem na faixa de fronteira. O principal projeto para a área da saúde, que conta com total apoio do candidato ao Governo André Puccinelli, é a criação de dois Hospitais Binacionais de alta complexidade, e administração compartilhada entre Brasil, Paraguai e Bolívia. “Hoje, um brasileiro fica doente no Paraguai e não consegue atendimento, assim como um paraguaio no Brasil. Com vontade política e atuação em conjunto, poderemos ter saúde gratuita para todos”, explicou.

O candidato a deputado federal afirmou que é urgente a reestruturação dos distritos industriais de todos os 79 municípios do Estado, oferecendo infraestrutura, incentivos fiscais, e buscando novos investidores para que sejam oferecidos novos postos de trabalho para os sul-mato-grossenses. “Precisamos combater o desemprego nas linhas de fronteira, fortalecer nossa economia e gerar renda para as nossas famílias. Quem será o interlocutor de tudo isso é um político com vontade de trabalhar, e eu estou pronto e disposto para fazer com que tudo isso seja realidade para nossa fronteira e para o nosso Estado”, defendeu Carlos.

Outros projetos formatados para a fronteira são a implantação efetiva da zona franca de compra e venda, criada através do Projeto de Lei Complementar (PLC) 87/2018 e que até o momento não saiu do papel e a equiparação das cotas terrestres, marítimas e aéreas, para desenvolver a economia das faixas de fronteira do Estado. “Vamos aumentar o potencial das nossas fronteiras, para que a economia cresça. Vou atuar fortemente para que a Zona Franca da fronteira entre em atividade o mais rápido possível”, afirmou.

Na área da educação, um grande indutor do desenvolvimento da fronteira, principalmente com o Paraguai, onde hoje existem cerca de 20 mil acadêmicos que movimentam a economia, o candidato a deputado federal Carlos Bernardo pretende implantar uma universidade no Brasil, praticando preços justos e com acesso a todas as pessoas. Serão de 35 a 40 carreiras, incluindo a Medicina, com cerca de 10 polos no Estado, e a fronteira será contemplada com uma ou duas unidades. “Os estudantes movimentam a economia na nossa fronteira, e com eles profissionalizados, poderão ocupar os postos de trabalho que serão disponibilizadas no Estado, sem precisar se deslocar para outros centros em busca de emprego. Uma indústria limpa, que traz empregos e desenvolvimento para o Mato Grosso do Sul”, destacou.

A três dias das eleições, o candidato a deputado federal Carlos Bernardo afirmou que os seus 21 projetos para o Estado, que contempla os 79 municípios, com atenção especial voltada à fronteira, sejam desenvolvidos pelo desenvolvimento de Mato Grosso do Sul. “Se o nosso Estado nunca teve um político atuante e presente, agora terão. Eu farei a diferença, a dimensão dos nossos projetos é gigantesca. Serei o melhor deputado federal que este Estado já teve, vocês podem encontrar alguém igual a mim, mas jamais melhor do que eu. Chegou a hora da nossa fronteira ter um representante comprometido com as nossas necessidades”, concluiu Carlos Bernardo.

As eleições acontecem no próximo domingo, dia 02 de outubro, com início às 07 horas e término às 16 horas no Mato Grosso do Sul. A ordem de votação é deputado federal, deputado estadual, senador, governador e presidente.

Deixe sua opinião