Biden critica candidatos que ameaçam não aceitar resultado eleitoral e culpa Trump

Internacional Últimas notícias

WASHINGTON (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na quarta-feira que as ameaças de alguns candidatos republicanos de não aceitarem os resultados das eleições de 8 de novembro se perderem é uma ameaça à democracia e culpou o ex-presidente Donald Trump por inspirá-los.

“Não se enganem, a democracia está nas urnas para todos nós”, disse Biden em um discurso poucos dias antes de os norte-americanos decidirem se os democratas mantêm o controle do Senado e da Câmara dos Deputados ou entregam o poder aos republicanos.

Biden, falando na Union Station de Washington, não muito longe do Capitólio, usou o ataque de martelo a Paul Pelosi, marido da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, em sua casa em San Francisco como evidência de que a democracia está ameaçada menos de dois anos após o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio.

“O agressor entrou na casa perguntando: ‘Onde está Nancy? Onde está Nancy?’ Essas foram as mesmas palavras usadas pela multidão quando invadiu o Capitólio dos EUA em 6 de janeiro”, disse Biden.

Ele pediu aos eleitores que “pensem muito sobre o momento em que estamos”.

“Enquanto estou aqui hoje, há candidatos concorrendo a todos os níveis de cargos nos Estados Unidos – governador, Congresso, procurador-geral – que não se comprometem a aceitar os resultados das eleições”, declarou ele.

Biden disse que aqueles que ameaçam não aceitar o resultado da eleição foram inspirados por Trump, que está avaliando uma candidatura à Presidência em 2024, enquanto Biden trabalha para decidir se quer buscar outro mandato de quatro anos.

Biden disse que “a democracia americana está sob ataque” porque Trump não aceita os resultados das eleições de 2020 que ele perdeu para Biden.

“Ele se recusa a aceitar a vontade do povo, ele se recusa a aceitar que perdeu”, afirmou Biden.

Separadamente, o ex-presidente Barack Obama também levantou preocupações sobre a democracia.

Falando em um comício democrata para candidatos estaduais no Arizona na noite de quarta-feira, Obama lembrou os movimentos antigos para garantir que mulheres, afro-americanos e outros que foram marginalizados pudessem participar de uma democracia que ele disse estar agora em risco.

Biden, que junto com Obama está engajado em campanha para os democratas nos últimos dias antes das eleições de meio de mandato da próxima terça-feira, enfrenta a possibilidade de que os republicanos ganhem o controle do Congresso, o que impediria sua agenda.

A maioria das previsões mostra que os republicanos devem assumir o controle da Câmara, enquanto o Senado é dúvida.

(Reportagem de Andrea Shalal e Jeff Mason)

Deixe sua opinião